Workaway

“Mama”

No primeiro país em que estivemos, no Nepal, fomos recebidos por uma família bem característica de Catmandu. A naturalidade pairava nesta casa, em todos os seus elementos, que viviam num lar simples, assaltado pelas temperaturas baixas de Janeiro, compostas de correntes de ar que teimavam em entrar por cada fresta, em cada divisão.

A família era grande, mas foi a matriarca que nos chamou mais a atenção. Chamávamos-lhe “Mama”. Ainda hoje nos lembramos bem do seu sorriso, que o mostrava com a mais pura das simpatias. Fazia-o quando comunicava, percebendo, ou não, o nosso inglês. O idioma não era o mesmo, mas o esforço era intenso para que fosse percebida. 


Invejámos a sua flexibilidade física, trabalhando no cultivo dos alimentos que um dia os havia de cozinhar. Admirámos a destreza com que tratava as tarefas domésticas. A primeira a acordar e a última a deitar, segurando o seu mundo com as próprias mãos. Nunca nos faltou nada. Comemos, bebemos e sorrimos. Tudo o que se pretende num lar. 

Esta é a nossa homenagem de quem nos tratou tão bem. 

Obrigada Mama!

Em estilo de vida Thai

Estamos quase a completar o 6º mês da nossa viagem pela Ásia. A bagagem começa a ficar cheia, com o peso de cada uma das experiências.

Muitos episódios foram passados na Tailândia, ou mais precisamente, no Norte desta terra dos Thai. Foi em Março. Agora estava de altura de regressar, mas para o Sul.

Estamos numa ilha chamada Koh Lanta e através do Workaway encontrámos esta casa que funciona como restaurante e, durante a época alta, arrenda os três quartos existentes. Na época baixa, somos nós – voluntários – que fazemos com que a casa sobreviva. Cada um está a pagar 1000 Baht (25€) por semana e fazemos 1h de limpeza, ou de outras tarefas que sejam necessárias, todos os dias. Com isto, temos um quarto para nós e três refeições diárias. Já por cá estamos há um par de dias e já deu para perceber que a comida é qualquer coisa de fantástico: DELICIOSA!!. O melhor da gastronomia tailandesa. Os próximos dias prometem ser muito saborosos.

Fiquem-se por aí, que nós vamos dando notícias. E façam-me um favor: sejam felizes! Não se esqueçam de ter um bom fim de semana.

Family Homestay | Siem Reap | Viagens 100 Nomes

Estamos nos últimos dias do Cambodja e vamos fazê-los ao estilo “beach & bungalow”, agora na costa, a Sul do país.

Para trás deixámos uma casa que não iremos esquecer. Fomos muito bem tratados em Siem Reap. Em troca, resolvemos algumas questões do Website e Social Media, assim como nos propusemos à criação de um vídeo promocional, que podem ver em baixo.

Este é o exemplo máximo daquilo que queremos retirar desta viagem: partilha, seja ela de que tipo for. Precisamos uns dos outros, não vale a pena negá-lo. E quando este reconhecimento for feito, para mim será também o momento do maior desenvolvimento como espécie humana.

 

(Vídeo promocional para Family Homestay em Siem Reap, no Cambodja)

Mergulho na generosidade do Cambodja

Já tivemos tantos azares com a plataforma Workaway (trabalho voluntário), que quando a sorte nos enfrenta, temos medo que venha disfarçada.

Estamos em Siem Reap, uma das maiores cidades do Cambodja. Estávamos com algum receio da confusão urbana, mas viemos para um local afastado do centro, a 4 km, onde as estradas se fazem de terra. Num sítio muito tranquilo. Esta foi a primeira das sortes.

A segunda foi quando chegámos: os sorrisos. Estamos numa casa de família muito simpática e atenciosa. Viemos com o pretexto de ajudar na jardinagem, mas logo ficou esclarecido que nos querem como convidados e conselheiros. Acontece que esta família quer tornar a sua casa num local turístico, mas primeiro saber opiniões de viajantes. Nós estamos num quarto, numa casa muito bonita e acolhedora com um enorme jardim e dois cães. Temos três refeições por dia e bicicletas para utilizarmos quando quisermos. Isto, claro, sem pagar nada.

No início a esmola foi tanta, que o pobre desconfiou. Agora já nos convencemos que estamos no sítio certo e estamos a aproveitar este inesperado mergulho na generosidade de uma família do Cambodja.

Vamos dando notícias. Bom final de semana para todos*

Hanoi & Cat Ba | Vietname | Viagens 100 Nomes

 

Está no ar o primeiro vídeo do Vietname. Com imagens de Hanói, a capital do país e da ilha de Cat Ba, onde nos passeámos pelos majestosos rochedos que emergem das profundezas do mar.
Dêem uma vista de olhos e vão ver que vai directo para a vossa lista de desejos.

 

Pasag Noi | Tailândia | Viagens 100 Nomes

Este é um vídeo onde, maioritariamente, mostramos imagens de um WorkAway que fizemos no Norte da Tailândia, numa pequena vila chamada de Pasag Noi. Tivemos oportunidade de fazer novas e boas amizades, de interagir com miúdos numa escola e de conhecer as profundezas da cultura tailandesa. Esperemos que gostem!

A música fica a cargo dos nossos amigos Serushiô que lançaram o novo álbum, Groove Lee.

A pureza em estado puro

Foi um dos dias mais gratificantes que tivemos nesta viagem. Assim que chegámos a esta escola, vieram um monte de mãos pequeninas encher-nos de ternurentos abraços. Os novos professores de inglês chegaram e foram vistos como autênticos heróis.

Não tínhamos nada preparado, por isso a lição não passou muito do ABC, mas quando tocou a campainha para o recreio, acho que me diverti mais do que eles. Sorrisos, gritos e correrias por todo o lado. Foi só um dia, mas viu-se muito respeito entre eles, muito próximos dos professores e funcionários e foram muito (mas mesmo muito!!!) simpáticos connosco.

Contudo, para mim, eles é que são os heróis. São os exemplos perfeitos para seguir.

Nunca tive muito jeito para crianças. Talvez porque nunca lidei muito perto com elas; não tenho sobrinhos ou primos pequenos e só agora é que os meus amigos, aos poucos, estão a começar a ter filhos. Pelo contrário, a Ana lidou desde sempre com os mais novos, pois a mãe é ama e faz disso vida.

Mas sabem que mais?… Nada disso importa quando alguém é recebido nesta escola como nós fomos, porque estas criaturas de palmo e meio foram capazes de nos desarmar de competências e encher-nos de emoções. É pureza em estado puro. E esta transparência pode ser bastante intimidante, tendo em conta que não estamos habituados a lidar com ela.

Eles ensinam-nos a estar confortáveis com isso. E nós… Nós só fomos lá para ensinar a contar até 10 em inglês. Qual das lições é mais importante? Quanto a mim não tenho dúvidas: eles e elas são os meus heróis.

Adorámos esta experiência numa escola deste lado da Tailândia mais rural. Do fundo do coração.

“Sem amigos não somos nada”

Estamos bem no Norte da Tailândia, a meia hora da fronteira com a Birmânia. Dizem que aqui é onde se encontra a genuína cultura Thai e eu acredito. Mesmo que não acreditasse, mudava de opinião quando encontrasse este senhor, chamado de Panpong.

Habitante na aldeia de Pasang Noi, é na agricultura que encontra o sustento da sua vida. Nos tempos livres toca guitarra e é-lhe difícil recusar um boa pinga. O tabaco é outro dos vícios e é sempre fumado enrolado nas folhas das suas bananeiras. Enquanto os cigarros se queimam entre os seus dedos, diz-nos no seu inglês arranhado: “a verdadeira cultura tailandesa está na partilha. Sem amigos nós não somos nada!”

Mr. Panpong, concordo absolutamente consigo.

 

Podcast RCG 2017-03-02 | Viagens 100 Nomes

 

 

Terminámos em Goa, Índia e não começamos da melhor forma na Tailândia. Houve malas perdidas e mais um Workaway que não deu certo.

Devemos também um pedido de desculpas aos ouvintes da Rádio Clube de Grândola que não tiveram o seu programa na quinta-feira, às 12h, devido a um engano nosso no envio do mesmo.